• Equipe Lumiar

Visita à Casa Siewert


A Casa Siewert, uma das edificações que passou por restauração, está aberta para visitação guiada.

No início de dezembro de 2018, Adriana Siewert foi quem nos recebeu. Ela explicou que no local há venda de produtos coloniais regionais, como bolachas, licores e cervejas, além das geleias de caldo de cana com banana e abacaxi que ela mesma fabrica. Os visitantes conhecem o exterior da casa, os ranchos e a plantação de milho. Como a casa é de moradia da família, seu interior não pode ser acessado.

Adriana contou que a família vive ali há três gerações, e a casa está aberta à visitação desde 2011. Inclusive, após ser divulgada no programa jornalístico “Globo Repórter” em 2016 e, meses depois, no programa culinário Mais Você, apresentado pela Ana Maria Braga, ambos da Rede Globo, o número de visitantes da casa Siewert aumentou muito.

Adriana dedica-se inteiramente ao turismo, recepcionando visitantes autônomos, grupos de turistas conduzidos por guias de turismo e, ainda, escolas. Com duração de aproximadamente 60 minutos, cada pessoa paga o valor de 15 reais pela visita guiada. Além do dissertar sobre a vida na colônia, a visitação inclui: explanações sobre a técnica construtiva, ida aos ranchos com equipamentos antigos e contemporâneos relativos ao trato dos animais e lavoura, além de degustação de geleias.

Sobre a técnica construtiva “enxaimel”, Adriana comenta sobre a montagem e desmontagem das casas: às amarrações com "prego" de madeira, os fechamentos com tijolos de barro, fixados com uma mistura feita de argamassa de cal, água, crina de cavalo, ou outros pelos de animais para dar liga. Já a fundação em pedra deixa a casa elevada em relação ao solo, o que facilita o desmontar e transportar de peças e demais materiais. Ela também falou da casa original e dos ‘puxadinhos’. As divisórias internas eram feitas de madeira. O sótão era usado para secar grãos pois, como não havia forro, o sol incidia sobre as telhas e aquecia muito o ambiente, contribuindo para isso. Ela também falou das primeiras cabanas que os imigrantes construíram. Sem dinheiro, transporte ou eletricidade, a construção da casa enxaimel se deu depois de muitos anos e com grande custo.

Na mesma semana, nossa equipe de pesquisa voltou à casa Siewert para conversar com o marido de Adriana e filho mais jovem de Wendelin Siewert: Rogério Siewert. Ele nos explicou que gosta muito de trabalhar com o turismo, mas que ainda precisa seguir seu ofício em uma fábrica da região. Como trabalha das 13 às 19 horas, dedica-se ao cuidado do sítio e à recepção de grupos de turistas no período matutino.


Rua Testo Alto, 8233, Pomerode.

43 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Fale conosco

Criado por Espaço Arqueologia